terça-feira, 10 de agosto de 2010

10 DE AGOSTO DIA DE SANTA FILOMENA !!!!!!



1-História da vida de Santa Filomena


Segundo as revelações a Madre Maria Luisa de Jesus.

"Eu sou a filha de um príncipe que governava um pequeno estado da Grécia.

Minha Mãe era também da realeza. Eles não tinham meninos.

Eram idolatras e continuamente ofereciam orações e sacrifícios à seus deuses falsos.

Um doutor de Roma chamado Publio vivia no palácio ao serviço de meu pai.

Este doutor havia professado o cristianismo. Vendo a aflição de meus pais e por um impulso do Espírito Santo lhes falou acerca de nossa fé e lhes prometeu orar por eles, se consentissem em batizarem-se.

A graça que acompanhava suas palavras, iluminaram o entendimento de meus pais e triunfou sobre sua vontade.

Se fizeram cristãos e obtiveram seu esperado desejo de ter filhos.

Ao momento de nascer me puseram o nome de Lumena, em alusão à luz da fé, da qual era fruto.

No dia de meu batismo me chamaram Filomena, filha da luz (filia luminis) porque nesse dia havia nascido à fé. Meus pais me tinham grande carinho e sempre me tinham com eles.

Foi por isso que me levaram a Roma, em uma viagem que meu pai foi obrigado a fazer devido a uma guerra injusta.

Eu tinha treze anos. Quando chegamos a capital nos dirigimos ao palácio do imperador e fomos admitidos para uma audiência.

Tão pronto como Diocleciano me viu fixo os olhos em mim.

O imperador ouviu toda a explicação do príncipe, meu pai. Quando este acabou e não querendo ser já mais molestado lhe disse: eu porei a tua disposição toda a força de meu império.

Eu só desejo uma coisa em troca, que é a mão de tua filha.

Meu pai deslumbrado com uma honra que não esperava, atende imediatamente a proposta do imperador e quando regressamos a nossa casa, meu pai e minha mãe fizeram todo o possível para induzir-me a que cedesse aos desejos do imperador e os seus.

Eu chorava e lhes dizia: vocês desejam que pelo amor de um homem eu rompa a promessa que fiz a Jesus Cristo? Minha virgindade pertence a ele e eu já não posso dispor dela.

Mas sois muito jovem para esse tipo de compromisso - Me diziam - e juntavam as mais terríveis ameaças para fazer-me aceitar casar com o imperador.

A graça de Deus me fez invencível. Meu pai não podendo fazer o imperador ceder e para desfazer-se da promessa que havia feito, foi obrigado por Diocleciano a levar-me a sua presença.

Antes tive que suportar novos ataques da parte de meus pais até o ponto, que de joelhos ante mim, imploravam com lágrimas em seus olhos, que tivesse piedade deles e de minha pátria.

Minha resposta foi: Não, não, Deus e o voto de virgindade que lhe fiz, vem primeiro que vocês e minha pátria. Meu reino é o Céu .

Minhas palavras os fez desesperar e me levaram ante a presença do imperador, o qual fez todo o possível para ganhar-me com suas atrativas promessas e com suas ameaças, as quais foram inúteis.

Ele ficou furioso e, influenciado pelo demônio, me mandou a um dos cárceres do palácio onde fui encadeada.

Pensando que a vergonha e a dor iam me debilitar o valor que meu Divino Esposo me havia inspirado.

Me vinha ver todos os dias e soltava minhas cadeias para que pudesse comer a pequena porção de pão e água que recebia como alimento, e depois renovava seus ataques, que se não houvesse sido pela graça de Deus não teria resistido.

Eu não cessava de encomendar-me a Jesus e sua Santíssima Mãe.

Meu cativeiro durou trinta e sete dias, e no meio de uma luz celestial, vi a Maria com seu Divino Filho em seus braços, a qual me disse:

"Filha, três dias mais de prisão e depois de quarenta dias, se acabará este estado de dor ."

As felizes noticias fizeram meu coração bater de alegria, mas como a Rainha dos Anjos havia dito, deixaria a prisão, para sustentar um combate mais terrível que os que já havia tido.

Passei da alegria a uma terrível angustia, que pensava me mataria.

Filha, tem valentia, disse a Rainha dos Céus e me recordou meu nome, o qual havia recebido em meu Batismo dizendo-me: "Vós sois LUMENA, e Vosso Esposo é chamado Luz.

Não tenhais medo. Eu ajudarei no momento do combate, a graça virá para dar-vos força. O anjo Gabriel virá a socorrer, eu lhe recomendarei especialmente a ele, vosso cuidado".

As palavras da Rainha das Virgens me deram ânimo.

A visão desapareceu deixando a prisão cheia de um perfume celestial.

O que me havia anunciado, logo se realizou. Diocleciano perdendo todas as suas esperanças de fazer-me cumprir a promessa de meu pai, tomou a decisão de torturar-me publicamente e o primeiro tormento era ser flagelada.

Ordenou que me tirassem meus vestidos, que fosse atada a uma coluna em presença de um grande número de homens da corte, fez com que me flagelassem com tal violência, que meu corpo se banhou em sangue, e luzia como uma só ferida aberta.

O tirano pensando que eu ia desmaiar e morrer, me fez arrastar a prisão para que morresse.

Dois Anjos brilhantes como a luz, me apareceram na obscuridade e derramaram um bálsamo em minhas feridas, restaurando em mim a força, que não tinha antes de minha tortura.

Quando o imperador foi informado da mudança que em mim havia ocorrido, me fez levar ante sua presença e trato de fazer-me ver que minha cura se devia a Júpiter o qual desejava que eu fosse a imperatriz de Roma.

O Espírito Divino, ao qual lhe devia a constância em perseverar na pureza, me encheu de luz e conhecimento, e a todas as provas que dava da solidez de nossa fé, nem o imperador nem sua corte podiam achar resposta.

Então, o imperador frenético, ordenou que me afogassem, com um âncora atada ao pescoço nas águas do rio Tiber.

A ordem foi executada imediatamente, mas Deus permitiu que não acontecesse.

No momento no qual ia ser precipitada ao rio, dois Anjos vieram em meu socorro, cortando a corda que estava atada a âncora, a qual foi parar ao fundo do rio, e me transportaram gentilmente a vista da multidão, nas margens do rio.

O milagre fez que um grande número de espectadores se convertessem ao cristianismo.

O imperador, alegando que o milagre se devia a magia, me fez arrastar pelas ruas de Roma e ordenou que me fosse disparada uma chuva de flechas.

O sangue brotou de todas as partes de meu corpo e ordenou que fosse levada de novo a meu cárcere.

O céu me honrou com um novo favor. Entrei em um doce sono e quando despertei estava totalmente curada.

O tirano cheio de raiva disse: Que seja traspassada com flechas afiadas.

Outra vez os arqueiros dobraram seus arcos, colheram todas as suas forças, mas as flechas se negaram a sair.

O imperador estava presente e ficou furioso e pensando que a ação do fogo podia romper o encanto, ordenou que se pusesse a esquentar no forno e que fossem dirigidas ao meu coração.

Foi obedecido, mas as flechas, depois de ter percorrido parte da distância, tomaram a direção contrária e regressaram a ferir a aqueles que a haviam atirado.

Seis dos arqueiros morreram. Alguns deles renunciaram ao paganismo e o povo começou a dar testemunho público do poder de Deus que me havia protegido.

Isto enfureceu ao tirano. Este determinou apressar minha morte, ordenando que minha cabeça fosse cortada com um machado.

Então, minha alma voou até meu Divino Esposo, o qual me deu a coroa da virgindade a palma do martírio.

2-Restos mortais


No dia 24 de maio de 1802, os ossos de uma mulher entre treze e quinze anos foi descoberto no cemitério de Santa Priscila, nas escavações das catacumbas em Roma por um pedreiro. Avisou-se Monsenhor Ponzetti, então o Guarda das Santas Relíquias, que ordenou que se parasse de quebrar o que quer que fosse. No dia seguinte, 25 de maio de 1802, acompanhados pelo padre Filipo Ludovici, desceram às catacumbas para assistir À abertura total da sepultura. Lá foram encontrados uma ânfora com uma substância, notoriamente "sangue seco" e uma palma, símbolos do martírio. A sepultura estava lacrada por três placas com a seguinte inscrição:

LUMENA (primeira placa) PAXTE (segunda placa) CUMFI (terceira placa)


3-Milagre do Século


Já em 1833, o Bispo Anselmo Basilici, da Diocese de Nepi e Sutri (atual Diocese de Cività Castellana), pediu a abertura do processo de canonização de Santa Filomena em virtude das inúmeras "graças" que vinham sendo relatadas, obtidas alegadamente através da "jovem mártir". No entanto, era necessário um milagre devidamente documentado pela Igreja e atestado pela Santa Sé e esse milagre veio através de Pauline Jaricot.

A alegada cura da jovem Pauline-Marie Jaricot (1799-1862) foi fundamental para a divulgação da devoção a Santa Filomena pelo mundo católico. Seriamente doente de uma enfermidade cardíaca, pelo que se narra, já desenganada pelos médicos, decidiu sair em peregrinação a Mugnano del Cardinale para rezar junto aos restos mortais de Santa Filomena. Partiu da França e, ao chegar à Itália, dirigiu-se a Roma, onde pediu em audiência ao Papa Gregório XVI que ponderasse sobre a canonização de Santa Filomena caso ela voltasse curada. O Supremo Pontífice responde que sim, convencido de que Pauline, alegadamente moribunda, apenas precisava de uma consolação espiritual e que ele não poderia negá-la.

Pauline Jaricot chegou a Mugnano após uma viagem, dita extenuante, sob o calor do verão italiano do mês de agosto, às vésperas da festa de Santa Filomena. No dia seguinte ela comungou e desmaiou: pensou-se que ela estava morta. Recomposta do desmaio, ela pediu que a levassem até o relicário de Santa Filomena, onde foi curada milagrosamente. O reitor da Basílica tocou os sinos para anunciar a novidade, enquanto o povo exultava de alegria, com o que se chamou de "Milagre do Século", aos 10 de agosto de 1835. Após passar alguns dias em Mugnano del Cardinale, rezando e agradecendo, ela voltou a Roma, onde o Papa Gregório XVI aprovou o culto a Santa Filomena aos 13 de janeiro de 1837.




4-Crescimento da Devoção


Os Papas foram generosos com Santa Filomena. O próprio Papa Gregório XVI concedeu-lhe, além a aprovação do culto público, um ofício, uma missa especial e uma leitura própria no Breviário (atual Liturgia das Horas). O Papa Leão XIII aprovou o uso do famoso "Cordão de Santa Filomena", assim como eregiu a Arquiconfraria de Santa Filomena na França. Por sua vez São Pio X estendeu a Arquiconfraria de Santa Filomena para o mundo inteiro. Assim, a popularidade dela logo se espalhou, sendo seus mais memoráveis devotos João Maria Batista Vianney, Madalena Sofia Barat, Pedro Eymard, e Pedro Chanel, todos eles santos da Igreja Católica Apostólica Romana

EU MESMA, JÁ RECEBI INÚMERAS GRAÇAS, ATRAVÉS DO CORDÃO DE SANTA FILOMENA.

ADQUIRIMOS ESSE CORDÃO, ASSIM COMO O ÓLEO BENTO NAS MISSAS DEDICADAS A SANTA FILOMENA.GERALMENTE, FAZEMOS A NOVENA E O PEDIDO, E SE FOR CONCEDIDA A GRAÇA, APARECERÃO NÓS NESSE CORDÃO, SEM QUEM NINGUÉM OS FAÇA.

EU ESTAVA UM DIA NA IGREJA DE SANTA RITA , NO BAIRRO DO PARI-SÃO PAULO,QUANDO UM SENHOR ME OFERTOU A ORAÇÃO E O CORDÃO.EU NÃO CONHECIA NADA A RESPEITO, DESSA DEVOÇÃO E APÓS OLHAR RAPIDAMENTE A ORAÇÃO, ME VIREI PARA AGRADECER O SENHOR E NÃO O VI MAIS.

AO CHEGAR EM CASA, GUARDEI A ORAÇÃO E O CORDÃO NUMA GAVETA E DEIXEI-OS ESQUECIDOS ALI ,POR LONGO TEMPO.

FOI QUANDO NUM MOMENTO DE EXTREMA NECESSIDADE, PROCURANDO UMA ORAÇÃO , AO ABRIR A GAVETA, ME DEPARO COM A ORAÇÃO E O CORDÃO.IMEDIATAMENTE, COMECEI A FAZER A NOVENA E GRAÇAS A SANTA FILOMENA , RECEBI O CONFORTO, A PAZ E AS GRAÇAS PEDIDAS.

JUNTO COM O FOLHETO DA ORAÇÃO, VINHA O ENDEREÇO DAS IGREJAS, QUE FAZIAM AS MISSAS EM LOUVOR A SANTA FILOMENA.Á PARTIR DE ENTÃO, COMECEI A FREQUENTAR UMA IGREJA PRÓXIMA AO LOCAL ONDE EU TRABALHAVA , TODOS OS DIAS 10 DE CADA MêS.

O PADRE RESPONSÁVEL PELA DIVULGAÇÃO A DEVOÇÃO DE SANTA FILOMENA, ERA UM SENHOR VELHINHO , COM SOTAQUE ESTRANGEIRO E MUITO UNGIDO POR DEUS,SEU NOME PADRE NOEL.ELE MESMO CONTAVA QUE HAVIA RECEBIDO, VÁRIAS GRAÇAS ATRAVÉS DE SANTA FILOMENA.

APÓS A MISSA, ELE DAVA UMA BENÇÃO ESPECIAL EM CADA UMA DAS PESSOAS QUE ESTAVAM PRESENTES .

PERDI AS CONTAS, DAS VEZES EM QUE ELE ME DIRIGIU UMA PALAVRA DE CONFORTO OU DE CONSELHO, SEM QUE EU PRECISASSE ABRIR MINHA BOCA PARA DIZER UM "A".

ELE IMPUNHA AS MÃOS SOBRE MINHA CABEÇA , REZAVA E DIZIA EXATAMENTE O QUE EU PRECISA OUVIR NAQUELE INSTANTE.

ERAM MOMENTOS DE GRAÇAS ESPECIAIS.

ELE ERA OU É, JÁ QUE PERDI O CONTATO, UM PADRE MUITO ESPECIAL!!!!!

EM TODAS AS DIFICULDADES DE MINHA VIDA, SEMPRE PROCUREI SANTA FILOMENA, O PRÓPRIO PADRE NOEL DIZIA:

- PEÇAM A SANTA FILOMENA ,PORQUE ELA É A AMIGA DE JESUS E INTERCEDE POR NOSSAS DIFICULDADES.CONVERSEM COM ELA ,COMO FAZEM COM UMA AMIGA MUITO QUERIDA, PORQUE ELA QUER NOS AJUDAR .SÓ ESTÁ ESPERANDO QUE PEÇAMOS A ELA.

OBRIGADA SANTA FILOMENA ,POR SER MINHA AMIGA EM TODOS OS MOMENTOS DE MINHA VIDA.

DESCULPE SE MUITAS VEZES, DEIXO DE CORRESPONDER A ALTURA QUE MERECE.

7 comentários:

  1. Drix mais uma que aprendi com vc obrigada e que a fe de santa Filomena esteja com vc. um beijo da Eliane.

    ResponderExcluir
  2. filomena magalhaes10 de agosto de 2010 17:42

    O meu nome é Filomena e por uma feliz coincidencia visitei o seu blog e gostei muito, não conhecia a historia da vida da Santa Filomena, nem sabia que o dia Dela era 10 de Agosto.Obrigada! O amor se Deixa Encontrar, é mesmo isso, muito bonito.
    Cordias Saudações
    Vou postar algo no meu blog (a janela da filomena)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ô Santa Filomena.rogai por nós!
      Amém!

      Excluir
  3. Esse seu blog é tão bonito e especial. Estou repassando ele para minhas amigas que são católicas.
    bom dia

    ResponderExcluir
  4. Olá, Drix!
    Passei hoje quase o dia no seu blog, lendo as primeiras postagens e sobre Medjugorje. Estou muito contente que haja um blog como o seu, uma pessoa de alma linda como a sua.
    Beijos na alma e muita paz!

    PS: Cheguei aqui por recomendação do Alexandre.

    ResponderExcluir
  5. Conheci a história de Santa Filomena, através de um livro que emprestei de minha mãe, "Santa Filomena e seus milagres", leiam é realmente transformador.....

    ResponderExcluir
  6. conheci hoje a história trágica dessa santa, e hoje mesmo iniciarei uma novena em seu louvor e com muita fé tenho certeza que serei atendida se assim for da vontade de jesus..e de meu merecimento AMÉM.. TMAA

    ResponderExcluir